20 janeiro 2011

S A U D A D E


De Maria do Socorro e dos grandes amigos.
Do Rio Vermelho,
Boemia e filosofia.
De ver o mar,
Sentir o cheiro,
E colocar os pés na água.
Do colorido das paisagens,
Da gente,
E das roupas de verão.
Dele. Muita.
Casquinha, bacalhau, aipim,
Roska de caju,
Docinhos de festa.
Das crianças da creche.
Do ritmo da percussão.
Dos abraços mais demorados.
Da livraria.
Da Praia do Forte,
Do sotaque do vendedor de picolé.
Do Shangri-lá.
Da vista da baía de todos os santos, 
Do mar para a terra e da terra para o mar.

Ai que bom que não morri,
Que só viajei
E posso voltar.

Pra sentir os gostos, os cheiros,
Para ir ver correndo
O que antes estava aborrecido.

E pra saber que não importa aonde eu vá,
Eu sou da Bahia,
Lá é o meu lugar.


5 comentários:

  1. Certeza Absoluta Queridíssima!!!!!! Salvador e os amigos estão de braços abertos pra você.Sds
    Jorginho Peralva

    ResponderExcluir
  2. De fato isso é saudade q pode ser curada todas as vezes q vier, e venha sempre, mas por hora, acho q seu lugar é ai. bjks

    ResponderExcluir
  3. Saudades de você também, priminha!!

    ResponderExcluir
  4. Q lindo Val, eu nem sou bahiana e tenho saudade da sua terra, imagina se fosse e morasse lá???? Senti saudade tb qdo li, lembrei do acarajé da Cira, de comer lambreta, do carnaval, do por do sol na Barra naqule bar q não lembro o nome, do cheiro e do astral q só tem lá. Vou p lá no carnaval, e vc pode voltar sempre, aproveita aí Xará q tb é mto bom!!! Bjo
    Xará

    ResponderExcluir
  5. Que lindo texto, amiga.
    Enquanto não vem matar saudades daqui, vou aí matar minhas saudades de ti.
    Love you.
    Syl

    ResponderExcluir

A INCRÍVEL falível espera ansiosamente por um comentário seu: