08 setembro 2011

Diga que eu posso e eu acredito!


Outro dia o PIF me disse que uma das coisas que ele mais admira em mim é que sou inteligente.

Perguntei: Eu? Tem certeza love?

Eu sei, isso não se faz. Devemos aceitar, agradecer e acreditar nos elogios. Mas é que esse é o mais difícil, eu sempre me senti muito burra. Não tontinha ou distraída, mas burra pra valer. Foi preciso uma longa caminhada para entender o porquê.

Primeiro, eu tenho TDA. Transtorno de Defict de Atenção, uma dificuldade imensa de me manter atenta a alguma coisa. Só depois de muito ler sobre o assunto, lá pelos vinte e tantos descobri. Até então eu só era... burra.

Aprendi que existem várias formas de aprendizagem e que não dá pra ser bom em tudo, escrevi com mais detalhes sobre isso no meu primeiro post nesse blog, para ver de novo é só clicar aqui

Outro dia fui com o filho para uma entrevista com a sua orientadora para escolher as matérias que ele iria querer pegar neste ano, o 11th grade no High School.

Vocês leram direitinho? Eu disse ESCOLHER! Isso! Porque de obrigatório só tinha Inglês, Álgebra e História dos EUA, as outras três ficam por conta dele. Tudo sempre novo, as matérias não se repetem, em um ano você tem história do mundo, no outro história dos EUA. Um ano tem geometria e no outro tem álgebra.

No mais, é livre! Ele poderia escolher entre outras; economia, jornalismo, oratória, produção de video, moda, fotografia, banda de jazz, orquestra, coral, psicologia, surf (isso aí, surf!), cerâmica, teatro, yoga ou até video game design. Que tal? Para quem é curioso ou é da área é só conferir a grade no link: mira costa

O rapaz escolheu latim (também não faço a menor idéia do porquê), web design e futebol.

Já Valzinha tinha que estudar as mesmas massacrantes matérias que não queria (e que não entendia) todos os anos! Eu me lembro que tinha quatorze matérias, tinha TRÊS de química e não entendia bulhufas de nenhuma delas. Olhava para a prova e me assustava, parecia que tinha caído um enigma de uma bomba de um terrorista em minhas mãos.

Depois do primeiro ano do ensino médio, ficava de recuperação em quase todas. Só passava em português, redação, inglês, educação física e religião (essas últimas duas não contam porque nunca soube de ninguém que perdesse). Sempre fui péssima de prova, todas pareciam pegadinhas, só caia o que não tinha estudado. E era incrivelmente azarada nos chutes, não dava uma dentro. Por essas e outras desde muito cedo pensei que não passaria no vestibular, naquela época tínhamos pouquíssimas faculdades, todas muito concorridas, só  para piorar a história.

Dou graças para sempre à minha Tia Leu, que como sempre muito sábia, percebeu que a minha melhor alternativa seria a Escola de Teatro da UFBA. E assim passei de primeira e entrei aos dezessete anos.

Nesse vestibular pela primeira vez foi considerado um teste de aptidão. Antes disso nunca consegui me destacar pela minha facilidade com a escrita, minha habilidade social ou de liderança. Imagine se todos tivéssemos a oportunidade de testar as nossas aptidões em um sistema como esse da escola americana? O tradicional nunca funcionou para mim, nunca senti que eu poderia ser boa em alguma coisa, que a vida poderia estar além daquelas matérias. Eu só me sentia burra.

Vesti essa carapuça "com orelhas" até pouco tempo atrás. Na faculdade não rendi nem metade do que poderia por insegurança. Lembra do quando eu demorei pra colocar "a cara" no bloguito?

Até que fui descobrindo que posso fazer um novo curso, ter uma loja ou trabalhar em uma empresa, posso criar filhos, posso morar em outro país e até posso escrever coisas que as pessoas gostam. Tudo construído com empenho e a dor de quem precisa quebrar a cada dia um pedaço da casca do ovo.

Criança geopolítica observando o nascimento do homem no ovo, de Salvador Dalí

Quando paro pra pensar nessa história e em qual foi o meu maior combustível para crescer penso nas palavras de incentivo. Lembro-me da Tia Leu, de alguns professores e colegas. Esses elogios aconteceram como em uma espiral; poucos na escola, mais no final da graduação, mais na pós e bem mais agora. Cada vez me fazendo acreditar mais em mim e ficar mais segura para fazer tudo melhor, em uma retroalimentação muito saudável de força e potencial.

Isso serve para nos deixar atentos para acreditarmos nos talentos dos nossos filhos. Descubra no que eles são bons e invistam! Por favor, elogiem!!!! Cada pequeno avanço. Eu tenho aqui por enquanto uma possível cantora, uma comerciante e um cara que tá a fim de estudar latim. OKAY! São  as suas escolhas e se a gente faz o que ama, as chances de sucesso ultrapassam todos os limites!

Voltando para a conversa com o love, estava eu tentando argumentar contra o elogio (acho que ainda tenho um pedaço de casca encruado bem nas minhas costas) perguntando como isso é possível, já que eu faço tanta besteira? (nesse dia eu tinha batido o retrovisor em uma árvore, ficou pendurado).

O meu lord disse: É porque você faz muita coisa, cuida de muita gente, pensa muito. Daí não cabe tudo, alguma coisa você perde. Mas veja quando você realmente quer, o que acontece? Veja como você organizou uma casa, escolas e uma nova rotina em quinze dias? Você é muito inteligente na vida!

Chamamos esse "querer" em neuropsicologia de hiper foco. E chamamos essa resposta do love de RIP -Reforço Incondicional Positivo. Dois fatores que combinados formam a receita dos Incríveis!

Viu? Eu não sei nada sobre química mas tenho algumas fórmulas, sei muito pouco de matemática mas formo algumas equações lógicas para o bem viver. Não aprendi muito geografia mas com um gps, exploro qualquer tipo de área! Não decorei os nomes dos reis e as datas históricas mas procuro entender o mundo de agora e penso em como deixá-lo um pouquinho melhor para o futuro. Não sei nem pra onde vão os conhecimentos em física mas descobri que boa energia só atrai coisas boas.

AÊÊÊÊÊÊÊÊÊÊ!!!!!!!!!! Dá aí uma nota 10 pra IF, vai!!!! Pelo menos uma vez na vida, KKKKKKKKKKKKKKK...........

7 comentários:

  1. Amei Val. O PIF tem toda razão. Que bom que ele viu essa sua grande vitória pra lhe contar e não passar despercebida. Comemore seu 10 com louvor!!! beijos

    ResponderExcluir
  2. Nota mil pra voce, gatinha! Eu concordo absolutamente com Steve, voce eh muito inteligente! Sinto-me abencoada de ter uma amiga como voce, que sempre me faz sorrir e chorar de alegria, de emocao! E sentir que a vida eh tao linda, porque nela existem pessoas como voce! Te adoro!!! AMEI ESSE POST!!!

    ResponderExcluir
  3. Pois eu acho vc uma pessoa inteligentíssima, em todos os sentidos. Concordo plenamente com Steve.
    Aline

    ResponderExcluir
  4. Adorei,eu diria que você é incrível e infalível.Acho que foi generosa quando pediu nota10,você merece nota 1000.Sempre foi muito feliz,espontânea,comunicativa.....adjetivos para Te qualificar são inúmeros.Você têm inteligência emocional,isto não é avaliado na escola a menos quando a gente burla as regras.Mas,é desta inteligência que a gente faz uso para levar a vida numa boa.Você é demais continue assim,tão nota 1000.Muitos beijos,Te adoro,Val.

    ResponderExcluir
  5. Que coisa linda! Taty, você me deixou emocionada, que lindo!!! Aliás hoje foi o dia, pegaram pesado como coração da IF.

    Grata, muito grata!

    ResponderExcluir
  6. Marília Nascimento Curvelo9 de setembro de 2011 10:05

    Minha querida Val: MUITAS SAUDADES DE VC E DE SEU SORRISO!!! Que bom saber notícias suas, tão atuais... não conhecia seu blog, VIUUUUUUUU? NINGUÉM ME AVISOU!!!!!!! rsrsrrsrsrrs não tem problema! AMEIIIII a sua crônica, muito bem escrita, INTELIGENTE, ágil, instigante e, acima de tudo, sincera. Você é uma pessoa incrível, sensível, amorosa, INTELIGENTE e muitooooooooo GENTE!!!!! Todo meu carinho e desejo sincero de que vc seja MUITO FELIZ!!!!! Lila

    ResponderExcluir

A INCRÍVEL falível espera ansiosamente por um comentário seu: